TOPO
Gastronomia

Ostras alagoanas, manjar do mangue

Todo sábado, no Akuaba, tem ostras frescas para os fãs dos moluscos poderem saborear com prazer e sem medo, já que para chegarem à cozinha do restaurante da família Moreira, elas passaram pelo processo de depuração (limpeza) na cidade de Coruripe. E as ostras são maravilhosas, seja apenas no sal, limão e azeite, ou num molho mais caprichado. São como um manjar do mar e das lagoas.

Todo sábado tem ostras frescas e depuradas no Akuaba

Todo sábado tem ostras frescas e depuradas no Akuaba

Comer ostra (crua, grelhada, ou cozida) de sabor forte e marcante e, como dizem, afrodisíaco.  Mas o legal é saber que as “Ostras  Depuradas” são um projeto da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid), juntamente com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS), que implementaram uma unidade de depuração em Coruripe para que o molusco com selo de qualidade seja, de fato, fonte de renda e emprego para os cultivadores da iguaria.

Ostras, uma das estrelas da Cozinha Show da Abrasel

Ostras, joia da gastronomia alagoana

O projeto do IABS também conta com o apoio do Sebrae, Governo do Estado (Seagri) e prefeitura de Coruripe, atende mais de 100 famílias na Barra de São Miguel, Barra de Camaragibe, Coruripe, Porto de Pedras e Barra de Santo Antônio. O grande desafio é ampliar o mercado das ostras na hotelaria e restaurantes. Além do Akuaba, primeiro restaurante que abraçou o projeto, o Hotel Jatiúca, Lopana, restaurante Macuípe (Barra de São Miguel) e Village Barra Hotel (Barra de São Miguel) também irão adicionar ostras depuradas ao cardápio.

A convite do IABS, visitei o projeto em Barra de São Miguel com direito a trilhar pelo mangue, por sinal, ótimo roteiro de turismo comunitário que começa no povoado Palatéia. Lá coloquei os pés na lama para seguir na canoa  até o cultivo de ostras em mesas. O cenário é bonito.

Mesas de cultivo de ostras em Barra de São Miguel

Mesas de cultivo de ostras em Barra de São Miguel

Depois de visitar o cultivo, seguimos para unidade de Depuração de  Ostras, em Coruripe. O final feliz foi saborear as ostras no restaurante Macuípe na volta à Barra de São Miguel.

Nino da Palateia, mudou sua vida com o cultivo de ostras

Nino trabalha no cultivo de ostras na Palatéia

Personagens –  José Nino nasceu na Vila Palatéia e adora comer ostras cruas, temperada apenas com azeite, sal e limão. Ele faz parte das 100 famílias que cultivam os moluscos. Há 10 anos vive da ostra, mas com projeto das ostras depuradas, e seu trabalho rende mais de um salário mínimo. Nino explica que a ostra vem da natureza, dela nasce filhotes.

Cada mesa comporta 1.200 sementes. Seis meses é o tempo ideal para o consumo, quando o tamanho do crustáceo chega a 8 cm. “Minha vida mudou com as ostras. Antes vendia apenas na Barra. Agora, com o projeto, vendo muito mais”, diz Nino, que além de cuidar das ostras com carinho, nas horas vagas adora pescar tainha, robalo…

Na Depurada as ostras são medidas e passa por um processo de limpeza

Na Depuradora as ostras são medidas e passam por um processo de limpeza

Depuração – Quando as ostras chegam à Coruripe elas são conferidas as quantidade (por  associado), depois passam por uma lavagem externa,  mede-se as três dimensões delas para acompanhar o padrão do molusco.

Depuradora está instalada no Povoado de Barreiros em Coruripe

Depuradora está instalada no Povoado de Barreiros em Coruripe

O próximo passo é colocar nos tanques de depuração com capacidade para 2,2 mil ostras. Elas ficam lá por aproximadamente 48 horas antes de serem comercializadas. Imersas na água do mar filtrada, tratada com luz ultravioleta, cloração, filtração, oxidação com baixa concentração de cloro, eliminando, assim, os riscos de contaminação por bactérias, vírus e outros microrganismos que são comuns nesse produto, evitando os riscos do consumo.

As ostras alagoanas são espécie nativa, cultivadas no mangue, na água salobra (encontro com o mar). Elas resistem bem no verão e o índice de mortalidade é pequeno, apenas 3%.

Na Depurada as ostras são bem tratadas e embaladas para chegar até os restaurantes e hotéis

Na Depurada as ostras são bem tratadas e embaladas para chegar até os restaurantes e hotéis

Segundo o analista do Instituto, Marcela Pimenta, o conceito do projeto é amplo, envolvendo desde a questão da sustentabilidade ambiental, o padrão de qualidade sanitária do produto, um modelo de negócio social e a inclusão produtiva dos moradores. Até o mês de maio  deste anos, mais de 112 mil reais já foram distribuídos para a comunidade, por meio do programa que originou também a construção de um modelo de gestão comunitária e subsidiou estratégias diferenciadas que melhoraram a comercialização e a inserção do produto nos mercados turístico e gastronômico.

Marcela Pimenta, do projeto das ostras depuradas

Marcela Pimenta, do projeto das ostras depuradas

A ostra ainda conta com alta concentração de proteína, contribuindo para manter os sentidos aguçados. São suaves e levemente doces quando coletadas do fundo de manguezais e de gosto mais acentuado do que aquelas oriundas do mar.

Ostras gratinada no molho de queijo do restaurante Macuípe, Barra de São Miguel

Ostras gratinadas no molho de queijo do restaurante Macuípe Comedoria na Barra de São Miguel

As ostras depuradas também podem ser vendidas ao público. Mas é preciso fazer reserva. Recentemente, o chef Wanderson Medeiros adicionou ostras fresquinhas e depuradas pelas mulheres  de Barra de Camaragibe num buffet de casamento. Uma feliz ideia.

ostra200

Rota Ostras Depuradas

Akuaba no dias de sábado – R. Ferroviário Manoel Gonçalves Filho, 6 – Jatiúca-  (82) 3325-6199

Restaurante Macuípe nos finais de semana – Villa Niquin, Barra de São Miguel

Em breve no Hotel Jatiúca,  Lopana e Village Barra Hotel

Onde comprar: Comunidades Produtoras pelo telefone: 82 3313.4130/ 99835.1528

Quem deseja ostras frescas em casa também pode comprar direito ao projeto

Quem deseja ostras frescas em casa também pode comprar direto com o projeto

 

«

»

1 comentário
  • Rui
    4 anos Atrás

    Qual o preço da iguaria lá no Akuaba?

Comentários desse post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-me no Instagram

Instagram did not return a 200.