TOPO
Meus Destinos Para Ficar Turismo

Penedo, meu amor

O Rio São Francisco, o Velho Chico, beija a cidade a bela e história de Penedo, Alagoas

O Rio São Francisco, o Velho Chico, beija a bela cidade de Penedo

Minha viagem à cidade de Penedo, que eu chamo de meu amor, começou cedo, às 5 da manhã, para chegar cedinho e desembarcar na Feira do Peixe para viver a vida dos ribeirinhos que vendem os peixes, siris, camarões, tudo fresquinho e, por sinal feira limpa…

Muito hilário, porque não estava programado, o taxista Ivan Reis encomendou os camarões das águas doce do Rio São Francisco e, claro, eu curiosa por feiras populares, segui os passos do alagoano nascido em Piaçabuçu. Porque, na minha sã consciência, turismo é mergulhar nos costumes e tradições do povo da cidade, que saboreia os camarões torrados com cerveja bem gelada.  Existe coisa melhor?

O barquinho e do sabor de infância com o algodão doce de seu Elias, que vende a guloseima a bordo de seu barquinho pelo Velho Chico

O barquinho e seu Elias, vendedor de algodão doce no Velho Chico

Bem, em Penedo existe muita, mais muita coisa legal, como apreciar meninos e meninas mergulhando no Velho Chico, como se fossem peixes, e na maior felicidade. No dia de domingo, é para lembrar-se do sabor de infância com o algodão doce de seu Elias, que vende a guloseima a bordo de seu barquinho pelo Velho Chico.

Deliciar-se com jacaré ensopado e farofa da Vera, tomar o café da manhã de Aparecida Costa, andar pelas ladeiras, sentar na calçada do bar do Jorjão para desfrutar da caranguejada.  E subir e descer ladeiras para respirar as histórias das igrejas barrocas, sonhar com as festas do Brasil Colonial no Paço Imperial, e já se programar para não perder a Festa de Bom Jesus dos Navegantes no segundo domingo de janeiro.

O Rio São Francisco e a igreja das Correntes, ícones de Penedo

O Rio São Francisco e a igreja das Correntes, ícones de Penedo

Penedo é infinidade de coisas boas. De lá, além das boas lembranças e amigos, trouxe histórias para compartilhar. Na bagagem, a carranca do mestre santeiro Timaia para afugentar maus espíritos, proteger as viagens e o nosso Velho Chico, nosso bem querer.

Os barcos do Velho Chico. Vamos navegar?

Os barcos do Velho Chico. Vamos navegar?

Siga o roteiro em Penedo, meu amor

Jacaré da Vera

Jacaré ensopado com farofa e molho de pimenta, tradição de bem receber

Jacaré ensopado com farofa e molho de pimenta, tradição de bem receber

Bacalhau do São Francisco – Receber bem em Penedo é sinônimo de mesa farta, com camarões, peixadas, mas é o jacaré ensopado no coco a tradição penendense, também conhecido como Bacalhau do São Francisco. Provei no restaurante Forte Mauricio de Nassau; deixou saudades.

Restaurante Mauricio Nassau funciona na Casa da Aponsetadoria

Restaurante Mauricio Nassau funciona na Casa da Aposentadoria

Quem prepara divinamente esse prato é Vera Lucia, que aprendeu com a sua cozinheira Célia (falecida). Do jacaré, é utilizada a calda, temperada no leite de coco e com um pouco de azeite de dendê que, por sinal,  é essencial na receita. Do caldo se faz a farofa (não vai ao fogo), preparada com caldo quente alternado pela farinha. É de comer rezando. O aspecto da carne lembra frango, mas a textura é muito macia e o sabor é de peixe. Nota 10 também para o molho de pimenta de cheiro com cebola roxa e vinagre. Telefone 99981.7047

Caranguejada do Jorjão

Caranguejo com pirão no Bar do Jorjão,tem coisa melhor?

Caranguejo com pirão no Bar do Jorjão,tem coisa melhor?

Do mangue – O bar do Jorjão funciona na casa da família de Nelma Márcia, que comanda a cozinha com  maestria e sabor. Em suas panelas é produzida a gloriosa caranguejada, com pirão aromatizado com pimenta de cheiro. Há 32 anos, a família de Nelma e de seu Jorjão escrevem histórias saborosas de Penedo.

O restaurante é localizado na lateral da Igreja do Rosário, o que já garante sombra e uma brisa agradável. A cerveja é bem gelada e a caranguejada deixa saudades. Os bichinhos vêm das cidades de Piacabuçu (Alagoas) e Brejo Grande (Sergipe) e nunca podem faltar, são o carro-chefe. Uma viagem até Penedo só tem graça se comer no bar do Jorjão. Eu já adotei a família, gente simples e valiosa. Telefone: (82) 3551.5932

Comidinhas da Aparecida

Sopa com sabor de mãe de Aparecida para o jantar simples

Sopa com sabor de mãe de Aparecida para o jantar simples

Café- Quem curte uma comida bem regional, tipo sopa, café, buchada, rabada, tem um lugar sagrado com vista pro Rio São Francisco, a barraca O Morador, modesta, mas tempero bom. Provei a sopa e o café da manhã, ambos preparados no capricho. O lugar tem 32 anos sob o comando da alagoana de Igreja Nova, Aparecida Costa. No roteiro da nossa cozinheira: quarta da rabada, quinta da buchada, sexta do chambaril… Comida e preços bons. Café da manhã R$ 12,00. Telefone: (82) 99675.0055

Camarões Torrados

Camarão do Rio São Francisco na Feira do Peixe

Camarão do Rio São Francisco na Feira do Peixe

Com a falta de políticas públicas para o Rio São Francisco, ele  não é o mesmo, continua lindo, mas o surubim desapareceu e o camarão da água doce e o pitu estão cada vez mais difícil de se encontrar. Na feira de Peixe é possível achar o camarão,   torrado da forma tradicional no sal, que vira petisco, embora pequeno, e vendido na medida de lata até R$ 10,00. A feira do Peixe vale a pena conhecer, melhor dia é sábado. Também gostei do Mercado Público de Penedo, ótimo para as compras, infelizmente as 9 h da manhã não tinha mais café regionalpara provar. Fica para a próxima.

Camarões da Fazenda

Camarões da Fazenda do Sal no leite de coco

Camarões da Fazenda do Sal no leite de coco

Os camarões de criatórios são alternativas viáveis para manter a tradição da mesa do Penedense.  Além do peixe tilápia em tanques no Rio São Francisco, o camarão é cultivado em viveiros na Fazenda Ilha do Sal, que em tempos passados foi salinas e produzia sal “Moinho de Sal”. Depois, passou para peixes e, agora, a espécie conhecida como camarão-branco-do-pacífico é cultivada e vendida em Penedo. A espécie se adaptou muito bem no Velho Chico. Provei grelhado e na casca com leite de coco, preparado pela família de penendense Valmir Lessa. Gostei da textura e sabor, e achei melhor que o barba roxa. O de 16gramas custa R$26,00. Telefone: (82) 99999.9858 (Henrique).

Bordando Penedo

Bordados Pontos e Contos contam a história e tradições de Penedo

Bordados Pontos e Contos contam a história e tradições de Penedo

O Rio São Francisco é a inspiração para 35 mulheres bordarem as festas, as igrejas e a vida dos ribeirinhos, em bolsas, sacolas, vestidos, porta-joias, enxovais, coisas que encantam o Brasil. Elas bordam em linhas coloridas no vaivém do rio São Francisco, com a graça, a beleza e a identidade cultural de um povo. No início, muitas delas não sabiam nem pegar numa agulha, mas logo aprenderam o ofício secular, que antes era apenas um passatempo e agora gera emprego, renda e felicidade na Associação Pontos e Contos. E na sua viagem a Penedo, não se esqueça de comprar bordados que contam a história da cidade. Melhor lembrança não há. Telefone: (82) 3551.4491

Mestre santeiro

Mestre santeiro Timmaia e sua arte em Penedo

Mestre santeiro Timaia e sua arte em Penedo

Penedo é uma cidade de mestre santeiros, uma tradição mantida por Antônio Francisco Santos,  conhecido como mestre Timmaia Santeiro. Há mais de 40, ele transforma madeira em santos, em Jesus, em carrancas e em bustos de personalidades. Timaia aprendeu a arte com o mestre Antônio Pedro dos Santos (falecido), descendente da Escola de Santeiros do Penedo, e sem sombra de dúvidas o quem mais deixou discípulos na histórica cidade. Telefone: 9889.6460/ 98886. 7741

Benção

Detalhe da Igreja de Nossa Senhora das Correntes

Detalhe da Igreja de Nossa Senhora da Corrente

A Igreja Nossa Senhora da Corrente, vista do hotel São Francisco, é o cartão postal mais belo do Rio São Francisco. Construída em 1720 para ser uma capela privativa da família Lemos, a Igreja Nossa Senhora das Correntes é considerada uma das mais lindas do Brasil. Contam que no movimento abolicionista, os escravos usaram a igreja como refúgio – à esquerda do altar, podemos ver a passagem secreta onde eles se escondiam.

Anjos

Detalhe do anjo do Convento dos Franciscanos

Detalhe do anjo do Convento dos Franciscanos

O Anjinho barroco na fachada da Igreja Nossa Senhora dos Anjos, com feições indígenas, é uma das relíquias da obra construída a partir de 1660 sobre as ruínas do forte de Nassau, com pinturas em ouro nos altares e na coroa portuguesa, em cima da nave principal. O púlpito é decorado com pátina dourada e concha de jacarandá. O templo restaurado pelo IPHAN tem proposta de transformar os antigos aposentos dos frades em 12 apartamentos para hospedagem (ótima ideia).

Fachada do Convento dos Franciscanos

Fachada do Convento dos Franciscanos

Paço Imperial

Memorial Raimundo Marinho guarda relíquias, como os cartazes do Festival de Cinema em Penedo

Memorial Raimundo Marinho guarda relíquias, como os cartazes do Festival de Cinema em Penedo

Sobrado que hospedou o Imperador D. Pedro II na sua visita à Penedo, em 1859, abriga dois equipamentos culturais: Memorial Raimundo Marinho e Museu Paço Imperial. O Memorial reserva a história de seu patrono e da cidade de Penedo, entre as décadas de 1960, 1970 e 1980, período em que, sob a administração de Raimundo Marinho, o município alcançou amplo desenvolvimento econômico e cultural, a exemplo do famoso Festival de Cinema.

Arte sacra do Museu Paço do Imperial

Arte sacra do Museu Paço do Imperial

Museu Paço Imperial – Seu acervo guarda objetos do período Imperial brasileiro, onde estão expostas porcelanas, mobiliário, arte sacra e objetos que contam parte da história da cidade e do Brasil.

Casa de Penedo guarda a história da cidade

Casa de Penedo guarda a história da cidade. Foto : Roberto

Fundação Casa do Penedo é um museu particular, que preserva a história da cidade e dos seus principais personagens. Mantém um arquivo iconográfico e documental informatizados, uma hemeroteca especializada, uma biblioteca com rico acervo histórico-cultural, a maior parte doada pelas famílias penedenses.

Carranca do mestre Timmaia

Carranca do mestre Timmaia

Em homenagem ao meu pai penendense, Hermilio Inocência de Oliveira

Grata pelo auxilio luxuoso da Francisca Lima e Roberto Miranda

Para ficar

penedo1

Hotel São Francisco – www.hotelsaofrancisco.tur.br (82) 3551.2275

Hotel O Laçador – www.pousadalaçador.com.br (82) 3551.2529

Pousada Central – www.pousadacentra-al.com.br (82) 3551.2480

Pousada Stylos – (82) 3551.2429

Hotel Encantos de Penedo – (82) 3551.3111

Pousada Valle do São Francisco – www.pousadavalledosãofrancisco.v10.com.br (82) 3551.2000

Pousada Colonial -www.pousadacolonialdepenedo.com.br (82) 3551.2355

Pousada do Conde(82) 3551.2645

Hotel Encantos de Penedo (82) 3551.3111

Santos do mestre Timmaia

Santos do mestre Timmaia

Museu Paço Imperial

Museu Paço Imperial

«

»

5 comentários
  • Laudia Maria
    5 anos Atrás

    Gostei muito do documentário, se pode dizer assim?! Uma cidade com histórias de época, valiosíssima que merece indiscutivelmente uma atenção especial. Penedo teve seus dias de glória, quando ainda em raízes originais se enaltecia uma cultura impar, literalmente sofisticada pela conduta da recepção que assim era oferecidas pelos os que por elas se entregou efetivamente. Embora pequena e pacata, oferecia aos seus nativos como filhos queridos uma vida social produtiva e um entretenimento diversificado e bem elaborado. Foi uma produtora cinematográfica que hoje vive o sono longo de um passado verdadeiramente INESQUECÍVEL.

  • Vanessa Goncalves
    5 anos Atrás

    Que matéria fantástica Nide!! Gosto demais de Penedo!!!

  • Anderson França
    5 anos Atrás

    Incrivel com a senhora fala bem de Penedo-AL. Encantado com suas belas Palavras. Preciso precisa ser vista assim dessa forma que a descreveu!

  • Lucia Regueira Lucena
    5 anos Atrás

    Que materia legal, Nide, diferente, retratando o cotidiano de nossa gente e valorizando o imaginario popular.
    Em outra ocasiao faremos um arruar pela feira dia de sabado, onde encontraremos macasada, pe de moleque, tudo na folha da bananeira, Beju, arripiona, massa puba e as quilombolas do Tabuleiro dos Negros que trazem seus produtos para vender.

  • Oscar Nobrega
    8 meses Atrás

    Relato mais completo e sensível sobre Penedo
    Vou agora em novembro
    Parabéns pelo conteúdo

Comentários desse post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-me no Instagram

Instagram did not return a 200.