TOPO
Receitas

Mães “Beija-Flor”

Bem abençoado quem tem mãe para cobrir de beijo, independente de uma data. São abençoados também os que provam o sabor de amor de mãe. E assim escrevo, no dia de domingo, para homenagear a todas aquelas com coração de mãe, mesmo sem ter gerado uma vida. Na postagem de hoje tem história e receitas de mãe, a omelete de Wandinha

Receita de mãe: Para fazer omelete bem fofinho tem seus segredos

Como sempre escolho uma mulher para celebrar as mães, dessa vez, elegi a baiana bem arretada, e de coração alagoano, Wandinha, mãe de minha amiga Milena, aquela que também sempre me encheu de carinho e muito sabor.

Afinal, como perita de gastronomia, desde que conheci a matriarca da família Andrade, os aromas das panelas me diziam que era comida boa de mãe. A partir daí, qualquer convite com Wandinha como chef de cozinha nem precisava insistir, que já chegava.

A baiana Wandinha, dona de brechó, tem o tempero tradicional de mãe que encanta gerações

Certa vez, numa viagem ao litoral norte de Alagoas, perguntei: “Dona Wandinha, minha mãe fazia uma sopa de verduras maravilhosa, a senhora sabe fazer?”. E ela, claro, providenciou os ingredientes e fez igual: caldinho saboroso, legumes bem cortados, e o bom e velho macarrão.

Mães. Cada uma com seu tempero, porém as medidas são xícaras de amor. Recentemente, Milena me disse, “Minha mãe faz uma omelete muito boa. Bate as claras em neve, adiciona um pouco de farinha de trigo, depois coloca o recheio e fecha como uma tapioca”.

Fiquei super feliz com a notícia, porque minha mãe também fazia igual a Wandinha. E, assim, ganhei deliciosas omeletes, que, de tão boas, compartilho a receita. Já o recheio pode ser carne, mas combina com qualquer proteína e vegetais.

Detalhe, omelete é dobrado ao meio que nem tapioca e fica fofinho

Antes de me debruçar sobre as medidas da omelete, mais dois dedos de proza sobre Wandinha. Baiana, de Porto Seguro, casou-se com Jackson e teve Milena, Joris e Juninho. Sempre conciliou emprego e família, exercendo as funções de  telefonista da Telebahia e funcionária pública no Funrural. Depois abriu uma loja de produtos de beleza, mas atualmente tem um bazar.

Na cozinha, Wandinha é a rainha das panelas, e não apenas na omelete. Todas as tradições baianas como moquecas, vatapá, caruru, carne de sol com pirão de leite, cuscuz de tapioca, farofinha incha rabo com jabá, entre outros quitutes no capricho, ela domina.

As Ilustrações dos beija-flor são “intervenções com colagem” da Isabela Leão (@leao.isabela) do Restaurante Cambito

Wandinha tem o condimento de mãe. Agora seu amado Jackson partiu, ela virou uma mãe beija flor, voa por Maceió, Salvador e Lisboa para cheirar suas flores.

Receita Omelete de Wandinha

Para a omelete:
6 ovos
2 colheres de sopa, quase cheias, de farinha de trigo
1 pitada de fermento
1 pitada de sal

Separe as claras e bata em neve. Depois misture com a gema, o sal e o fermento na batedeira.

Coloque um pouco de óleo na frigideira, deixe esquentar e vá colocando a massa com o recheio.

Carne moida com azeitonas

Para a carne moída:

Mistura no tempero pronto (receita abaixo) e refoga a carne sem óleo para ela soltar a água. Quando estiver sequinha, coloca um pouco de azeite e refoga.
Dica: pode colocar um pouco de azeitona verde picada se quiser incrementar o recheio.

Para o molho de carne (também pode usar para temperar feijão e sopas):

2 dedos de vinagre
3 tomates maduros
2 cebolas grandes
6 dentes de alho
5 pimentas de cheiro
1 maço de cheiro verde (cebolinha, coentro, hortelã grosso e hortelã miúdo)
Pimenta, cominho e colorau a gosto
Extrato de tomate e sal a gosto

Coloque o vinagre no liquidificador junto com os temperos picados e bater bem. Acrescente o cominho, o colorau, o sal e o extrato de tomate e bata tudo novamente.
Coloque num pote de vidro e conserve na geladeira.

«

»

Comentários desse post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-me no Instagram

  • No Mistura Alagoana (@misturalagoana), além dos bons caldinhos, tem um desfile de comidas nordestinas, que vai da rabada com pirão ao suculento bife de faldrinha grelhada com arroz, feijão e vinagre. E tem até siri-de-coral, uma exclusividade alagoana. A única intervenção baiana é a do chef Guilherme Jordão que trouxe o molho lambão, uma receita tradicional, danada de boa. Ela acompanha os guisados com pirão para realçar o tempero.
http://www.nidelins.com.br/2020/02/20/serraria-com-sabores-alagoanos/
  • Combo de caldinhos, para mim, é uma novidade das boas. A gente prova quatro sabores e fica mais “fácil” decidir qual o predileto. Tem de feijão, galinha velha, sururu e de pitu (este, eu amo). A invenção é do restaurante Mistura Alagoana (@misturalagoana), no bairro da Serraria, com preços bem camaradas. O almoço para uma pessoa é a partir de R$ 16,80; ou pode escolher prato do dia, a feijoada na sexta-feira para duas pessoas por R$31. Gostou? Então, vamos conhecer o mais novo empreendimento na cidade alta de Maceió, que vai abrir todos os dias de carnaval.

http://www.nidelins.com.br/2020/02/20/serraria-com-sabores-alagoanos/

#dicadanide #maceio #tradição #cozinhaalagoana

Funciona todos os dias, segunda e terça das 11h até 17h/ de quarta a sábado das 11h até meia noite/ domingo até 17h
Av. Menino Marcelo, 9660 – Serraria, Telefone: (82) 3316-1114
  • Quem tem restrições ao glúten, claro, desde que não seja intolerância severa, tipo não pode nem respirar a farinha de trigo, saiba que restaurantes italianos oferecem massas sem glúten. Veja os lugares que já conheço, e aceito dicas sobre massa sem glúten para próxima reportagem .
@toscanarestaurante
@davenetotrattoria @mariaantonieta.maceio @basilicoristoranteitaliano 
saiba mais: http://www.nidelins.com.br/2020/02/19/e-sem-gluten-que-massa/
  • Já comeu pão com fermentação natural? Quem ainda não provou a iguaria, deve testar, embora seja bem diferente do nosso pão francês. Ele é mais rústico, contudo, tem sabor e seus benefícios. Ele tem baixo índice glicêmico, digestão mais fácil até para os intolerantes a glúten porque possui uma fermentação mais lenta. Também aumenta o teor das bactérias benéficas no intestino. Onde encontrar pão de fermentação natural? Back Bakery (@backbakery): Encomendas pelo telefone: 82 99697-0099/ Padaria Massa Madre (@misterfrios): Avenida Jatiúca, 162/  Telefone: (082) 3327-3636
  • No carnaval de 2011 eu visitei “Tia Jacy”, chamada, assim, carinhosamente pela família, uma das saudosas das irmãs Rocha. Na época, além de uma entrevista saborosa, fui sua auxiliar de cozinha na receita de filhoses, uma tradição da festa de Momo. A dama da gastronomia alagoana me ensinou os segredinhos do doce tradicional de carnaval, feito de farinha de trigo, água, manteiga, sal e uma calda de açúcar. Quem participou da entrevista também foi a sobrinha da Jacy, Tatalia (@mariaeuthaliamontenegro)que relembrou das histórias de sua tia. Em setembro do ano de 2014, Jacy partiu e deixou seu legado gastronômico registrado no livro “Delícias da Cozinha Alagoana”, das Irmãs Rochas, da Editora e Imprensa Oficial Graciliano Ramos. Acesse a receita no meu blog para uma festa de Momo saborosa e feliz.  http://www.nidelins.com.br/2020/02/17/filhoses-doce-tradicao-de-momo/
#dicadanide #maceio #tradição #docecarnaval
@rocha.yeda
  • @zecacamargomundo, jornalista apaixonado por nossa Alagoas, aquele abraço 💗💙😺 @thawacalixto @rodrigoaragaoal @galeriakarandash. Você @edecasaofficial, sempre bem-vindo
  • Maravilha sem glúten: macarrão de legumes, camarões e molho de queijo. Quem faz: Chef @tbrandaos do @davenetotrattoria
  • #Repost @thawacalixto (@get_repost)
・・・
Com dois chefs lindos e maravilhosos, @thawacalixto e @lekamelro .... 📸@felizpem
No camarote do.@palato24h