TOPO
Destaques Mais lidos

Molho na Bisnaga, campeão de agosto

Mais acessada: Molhos naturais e sem química é o segredo da Letícia Soares

No mês de agosto as mulheres foram as campeãs em acessos do meu blog. Os três primeiros posts juntos renderam mais de 52 mil curtidas. Número recorde, em primeiro lugar “Molhos para a alegria das saladas”, com 20.010; em segundo, Maragogi Doce, com 19.788,  e em terceiro, Doces de Riacho Doce,  com 12.506. Com esse resultado maravilhoso, elas vão ganhar novo post ainda neste mês e com receitas.

Vamos recordar a histórias das empreendedoras

Molho na Bisnaga chegou para deixar as saladas com sabores

Molhos para a alegria das saladas

Comer folhas verdes não é a melhor coisa do mundo, afinal, folhas têm sabores neutros e algumas até um certo amargor, como a rúcula. Acredito que uma das saladas que marcaram gerações foi a do Bar das Ostras, era feita com simplicidade, apenas alface, tomate, cebola, vinagre tomatão e azeite. Mas ao longo do tempo, as folhas receberam novos ingredientes como o queijo, tomate seco, castanha, azeite temperado, e assim foi melhorando sua existência na mesa dos alagoanos.

Molho de shoyo com gengibre ( o shoyo tem sódio e é um pouco agridoce por causa da mistura do mel com shoyo )

Para nossa felicidade surgiu o Molho na Bisnaga com sete sabores, todos naturais e sem aditivos químicos, não vende em supermercados, é preciso encomendar ao novo talento da gastronomia, Letícia Soares. Embora a alagoana esteja se formando em biomedicina, com o auxílio luxuoso da mãe, a chef e banqueteira Flávia Soares, Letícia resolveu ter sua independência com criatividade.  Duração dos molhos de um mês.

Rota Molho na Bisnaga: Encomendas pelo telefone: (82) 99412-0606

Tia Marlene, doceira mais famosa de São Bento

Maragogi – No quintal de Tia Marlene é um sonho:  coqueiros, sombra, vento, banquinhos, jangadas e a praia de São Bento na cidade de Maragogi, tudo conspira a favor da paz… Mas é na cozinha da casa da alagoana que são produzidos os bolinhos de goma e o famoso biscoitinho “Sua Mãe”.

A origem do nome “Sua Mãe” ninguém sabe, é uma receita de família, passada de mãe para filha. “No interior, todo mundo fazia bolo, biscoitos, era uma festa”, conta Tia Marlene, que só faz o biscoito sob encomenda,  pois é feito com a goma da tapioca, coco ralado, manteiga e gema. O biscoito é bom, com pedacinhos de coco ralado então, é, sem dúvida nenhuma, o melhor de Maragogi. Também compre as broinhas de goma, e da Tia Marlene é show de bola.

Biscoito “Sua Mãe” feito com goma de tapioca da Tia Marlene apenas por encomenda

Rua Edvaldo M Monteiro, 462-614, Praia de São Bento – Maragogi – Telefone: (82) 98851-1949

Cristina, a Cris, uma das doceiras tradicionais de Riacho Doce

Doces de Riacho Doce

Cristina, Polyana, Paula, Joselina, Anabel, Angélica e Angelina, são alguns dos nomes das mulheres boleiras do Povoado de Riacho Doce e donas do saber fazer dos quitutes tradicionais: tapioca, grude, pé de moleque, beiju, e bolos de macaxeira, massa puba e milho, todos preparados artesanalmente no forno à lenha. Quando finalizada a produção, as iguarias são comercializadas às margens da Rodovia AL-101, em frente à igreja Nossa Senhora da Conceição. Uma tradição secular preparadas em fornos de barro à lenha, passada de mãe para filha, distribuindo alegria e sabor.

Poly e Paula, irmãs gêmeas, nova geração da quituteira de Riacho Doce

A produção dos quitutes de Riacho Doce começa logo cedo, com o dia ainda clareando, o barulhinho do mar como trilha sonora. A primeira tarefa é colocar lenha no forno para pré-aquecer, em seguida, ralar manualmente os cocos, peneirar as farinhas de tapioca e de massa puba. A receita não leva ovos e a farinha de trigo entra em cena apenas para fazer as brasileiras (espécie de bolacha doce).  Qual desses doces eu mais aprecio? Todos. E com café quentinho… uma verdadeira benção.

Grude a união da goma da tapioca com coco ralado

O grude também conhecido como malcasado, é a mais singela das receitas tradicionais das Alagoas, é a miscelânea do coco ralado com a massa da tapioca. Quando vira grude nas mãos, é tempo de deitar a mistura na folha da bananeira até assar.

 

«

»

1 comentário
  • rardtog
    3 meses Atrás

    hi 🙂 bross 🙂

Comentários desse post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-me no Instagram

Instagram has returned invalid data.