TOPO
Chef na Cozinha Gastronomia Sem categoria

Pãozinho de tapioca da Maria Bonita

Goma originária da mandioca vira tapioca, beiju e recentemente é pãozinho de queijo, pra lá de saboroso, impossível de comer apenas um. Então, com café quentinho é de se perder a conta. A novidade é do Restaurante Maria Bonita, na antiga Amélia Rosa, que abriu o espaço gastronômico de alimentos sem glúten, mas que tem macaxeira, cuscuz, e até o acarajé integra a história do cantinho alagoano que começou com a tapioqueira Rosiane de Araújo, na praia da Jatiúca.

O pãozinho de queijo de tapioca é uma invenção de Marcos Vieira, chef e consultor da Maria Bonita. “Fizemos muitos testes até acertar”, conta o chef, que mistura a goma  com polvilho doce, resultando numa  massa de textura leve e com casquinha crocante, tipo comer rezando. Quando for ao restaurante, se debruce sobre esta maravilha da tapioca, uma tradição indígena.

Restaurante Maria Bonita é muito além da tapioca, sigam as minhas dicas:

Café regional: macaxeira com carne de sol e queijo coalho

Sagrado – Na proposta do espaço sem glúten, a macaxeira é a tal na Maria Bonita. Aposte na versão clássica com carne de sol acebolada e queijo coalho. Além de saborosa, a apresentação é lindinha.

Acarajé da Maria Bonita com vatapá da farinha da mandioca

Dendê – Acarajé é baiano, como não tem glúten, a  iguaria entra no cardápio na versão generosa de seis acarajés médios com os acompanhamentos de caruru e  vatapá (feito com farinha da mandioca), e o camarão não é seco, é bem no estilo alagoano. A massa da iguaria é tão macia que a gente a come sem acompanhamento, de tão boa que é.

Coxinha de batata doce

Doce – Na linha dos sem glúten, as coxinhas de batata doce (petisco) merecem toda atenção, com recheio de galinha bem temperada. Para acompanhar, o molhinho de pitanga.

Rosiane, empreendedora e chef do restaurante Maria Bonita ao lado do consultor e chef Marcos Vieira

Garra – Quando a gente come uma tapioca da Maria Bonita, não temos ideia da história empreendedora de Rosiane de Araújo,  enfermeira, que trabalhava em três hospitais para aumentar a renda familiar  e decdiu fazer tapiocas. “Minha mãe, Glória, já tinha barraca na praia, mas eu não sabia fazer tapioca”, conta Rosiane, que teve o apoio da mãe nesse aprendizado.

Logo em sua estreia como tapioqueira,  um cliente gringo chegou antes de sua mãe Glória lhe ensinar a arte e Rosiane foi obrigada a improvisar a sua primeira tapioca, segundo ela um pouco “troncha”. E assim lá se vão 20 anos de estrada. A alagoana trocou a vida de enfermeira pelo empreendedorismo,  formou-se em gastronomia e, em sua cozinha, a comida é regional com algumas intervenções, mas sem perder a identidade e, garanto, é das boas.

Rota Restaurante Maria Bonita

Preços café regional – R$ 15,00 /Acarajé com 6 unidades- R$ 20,00/ Pãozinho de tapioca (10 unidades) – R$ 12,00- Aceita-se cartões

Funciona de segunda a sexta,das 18h até 23h/ Sábado e domingo das 18h até meia noite

Antiga Amélia Rosa, 126 – Jatiúca -Telefone:82 3325.1749

 

«

»

Comentários desse post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-me no Instagram

Instagram has returned invalid data.